segunda-feira, 14 de julho de 2008

Viagem para 2008 (Dêem-nos a vossa opinião)

Pois é...


Este ano ainda não fizemos a nossa viagem de reconhecimento, confraternização e divulgação da nossa cidade, por esse Portugal fora.



Nos dois primeiros anos (2006 e 2007), como puderam ver através das fotos expostas no blog, o ponto de chegada foi o mesmo (Festival Minhoto na Quinta do Santoinho), embora o trajecto quer de ida quer de vinda tenha sido diferente, de forma a conhecermos sempre novos locais de interesse comum (leia-se adegas) o mesmo não se pode repetir este ano.


Em primeiro porque dois anos seguidos no Santoinho já é demais, quanto mais irmos uma terceira vez. Por outro lado também queremos conhecer outros pontos de interesse (leia-se arraiais, festas do vinho, festivais de gastronomia, enfim qualquer coisa...).
A viagem está a ser pensada para o mês de Setembro e durante um fim de semana, contudo ainda não temos o destino marcado.

O que eu vos peço a vocês (leitores do Blog) é que nos dessem uma ideia sobre um local que nós possamos ir conhecer nessas datas e onde exista algo que nos possa divertir durante a noite. Nós sabemos que nessa altura existem diversas festas do vinho e da vinha espalhadas por esse país fora, só não sabemos é as datas e os locais.


Caso algum de vocês nos possa dar alguma ideia, ficaríamos eternamente agradecidos...


Cumprimentos.


"Os Cortiços"

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Hino dos Cortiços (1ª Tentativa)

No Jantar de Natal de 2007, enquanto bebíamos uns copos e confraternizávamos à boa maneira dos cortiços, alguém se lembrou:

E que tal se de uma vez por todas escrevesse-mos o nosso Hino num papel e o começássemos a cantar para decorar-mos a letra?

E assim foi...



video


Esta foi a primeira tentativa que ficou gravada em vídeo daquele que será o Hino dos Cortiços. Com uma letra escrita a preceito, e ainda com alguma dúvida sobre qual é que será a quadra seguinte, foi este o resultado de um Jantar de Natal bem regado.



Uma coisa vos digo, nem está bem, nem está mal, contudo, para a primeira vez acho que até foi bastante bom. O essencial é criar uma base, e essa parte já foi feita, agora limando algumas arestas e acrescentando algumas quadras que identifiquem mais o nosso grupo acho que podemos ficar com um hino bastante engraçado de cantar e interessante para quem ouve.


Saudações


Cortiço Jodemo

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Piscinas de Ciudad Rodrigo

Estas fotos que aqui apresento, já foram tiradas à dois anos (2006), no complexo de piscinas de Ciudad Rodrigo (Espanha), contudo ainda parece que foi no outro dia que aconteceu.
É um local muito engraçado para conviver em grupo, alem das várias piscinas que possui, ainda tem zonas verdes que nunca mais acabam, campo de jogos (ténis, futebol e basquetebol), uma praça para garraiadas e touradas e uma zona de assadores com lenha à disposição, para cada um poder fazer a sua refeição como entender.
Foram colocadas hoje, para vos entusiasmar e abrir o apetite a um fim de semana bem passado em familia, com as nossas mulheres e tudo.

Já agora, porque não irmos lá este fim de semana (13 de Julho) visitar o nosso amigo CODEMIRSA, acho que iria ser muito fixe...

Quem pode, vai, quem não pode fica em casa.


Eu estou disponível e a minha companhia de todos os dias também. Manifestem-se o quanto antes para poder-mos organizar tudo em cima da hora como sempre.

E assim é que as coisas correm bem, é de pancada de um dia para o outro. Também é só preciso levar comida e boa disposição, as piscinas servem apenas para ir molhar os ..... o resto do tempo passa-se a assar carne a jogar às cartas e a dormir uma sesta que sabe tão bem naqueles dias.

Fico à espera do vosso manifesto para esta proposta de domingo.







Cumprimentos

Cortiço Jodemo

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Jantar de Natal 2007

Embora pareça mal estar aqui a relatar um acontecimento que teve lugar à quase meio ano, fica sempre bem recordar todos o bons momentos vividos até então.

Como já vem sendo hábito, e sendo a época natalícia propicia para o convívio em família, os Cortiços juntaram-se no dia 29 de Dezembro para realizar o seu Jantar de Natal.

Pese embora o Natal tivesse sido à quatro dias atrás, nós ainda estávamos enbuídos no espírito natalício... Também não pode ser antes, porque nessa altura, todos nós estávamos ocupados com jantares de Natal das mais variadas ocupações.

Para não fugir à regra da família, decidimos levar também as nossas mulheres a jantar connosco, e não é que elas ficaram todas contentes...! :)

A reunião foi marcada em frente ao palácio da justiça, mas como sempre alguém se atrasa, lá estava o cortiço André a contactar os mais atrasados e a lembrá-los que teriam de pagar a respectiva multa, enquanto isso o cortiço Neves estava com cara de poucos amigos, deve ser pela espera que estava a ter...

Assim que toda a gente chegou, dividimos-nos pelos carros e seguimos em direcção ao Restaurante o Videira, localizado na Cidade da Guarda...

Porquê a Guarda perguntam vocês? Primeiro para ser diferente, em segundo porque aí conseguiu-se uma Ceia de Natal com entradas, bebidas, dois pratos servidos (um de peixe e outro de carne), sobremesa e café a metade do preço que se praticava em Pinhel por aquela altura...
É caso para pensar: Será que os outros restaurantes não ganham dinheiro, ou será que os de Pinhel é que o querem ganhar todo de uma só vez...?
Assim que chegámos ao restaurante havia quem não conseguisse conter a felicidade por ter ir comer fora... Devia já estar a pensar na festa que se iria ali a fazer durante o jantar, não é que o Cortiço Rui nem goste de festas!
Na hora de nos sentarmos á mesa, tudo foi muito fácil, porque foi homens para um lado e mulheres para o outro. Assim foi mais fácil para o empregados, porque de um lado enchia as jarras com sumo e do outro com vinho. É claro que o vinho estava do lado delas.
A esta altura do campeonato a apreensão na cara dos meus amigos Cortiços era de tal ordem que nem queriam acreditar que não havia vinho naquela mesa. O cortiço Flávio ficou com aquela cara durante 10 minutos, o Cortiço Neves só fechou a boca passado meia hora, o Cortiço Bruno por seu lado, não perdeu tempo e começou a rezar para que aquela história do vinho fosse mentira e ele pudesse beber um copinho...

Ao que parece a reza surtiu efeito, e o vinho apareceu logo em seguida para gáudio de todos os Cortiços presentes. Saciada a nossa sede, chegou a hora de colocar mãos á obra e começar a comer.

A estas horas a fome era tanta que havia pessoas que nem paravam para conversar, que o diga o Cortiço Bruno e o Cortiço Neves. O Cortiço Neves ainda tinha desculpa, porque nesta altura ele só podia comer com uma mão...

Escusado será dizer que no final de cada prato havia sempre alguém que ia comer (leia-se fumar) palha para o canto do restaurante. Nessa altura ainda se podia fumar nos restaurantes... Agora, hoje em dia, se quiserem vão para a rua. Deve ter sido esta, a melhor medida que este governo tomou, desde que tomou posse...
Assim que o jantar terminou, e acreditem que depois de tanto comer e beber, já acabou bastante tarde, chegou a hora de ir desfrutar e dar um pezinho de dança nos bares da Guarda.

Devido à hora tardia a que saímos do restaurante decidimos ir todos para o Ponto G.
Ao início estava um pouco fraco, mas com o avançar da noite, a coisa foi-se compondo...
Foi um momento que serviu para desgastar o jantar e também para extravasar as nossas energias, já que somos pouco conhecidos por aquelas paragens, pelo menos alguns claro...

O ambiente no bar até estava bastante bom, o único senão foi a musica que estava o DJ a passar. Ao inicio ainda pensámos que o disco estava partido e que o pessoal estivesse no andar de baixo a martelar de propósito, mas com o andar da noite apercebemos-nos que tudo estava na mesma.
Do meu ponto de vista, acho que um bar para poder funcionar, tem de possuir uma música generalista (abrangendo todos os géneros) que possa agradar a todos durante a noite. Martelos sim, mas não à 1h da manhã e durante 2h30m seguidas. À que dar tempo ao tempo, e aquela hora ainda não se justificava aquela música. Pois bem, feito este pequeno reparo, que devido à sua importância também não passa disso, chegou a hora de irmos embora todos em família, assim como chegámos...

A animação foi de tal ordem, que mesmo a chover, como demonstra a foto, a pressa de ir para o carro não era muita. Estava, era toda a gente com muito frio...

Para mais tarde recordar fica esta foto de família, mais uma entre muitas, tirada na escadaria que está ao lado da discoteca F7.
Para o ano espero que possamos repetir este convívio, porque são momentos destes que nos fazem recordar e viver com alegria.

terça-feira, 1 de julho de 2008

BTT - Os Cortiços (25 de Novembro 2007)

Já foi no passado dia 25 de Novembro de 2007, que os Cortiços organizaram o seu 1º passeio de BTT pelo concelho de Pinhel.


Tratando-se de uma primeira vez, a expectativa e o entusiasmo era grande, como demonstra a foto do lado.


Já viram a cara de alegria destas pessoas por terem de se levantar às 8 da manhã de um domingo que tinha tanto de sol como de frio...


O passeio contou com 25 km de dificuldade média/alta, onde o objectivo central do mesmo seria apreciar a bonita paisagem de um outono exigente e a confraternização entre todos os presentes.


Com ponto de encontro marcado para as 9h no Café "Príncipe das Beiras", o passeio arrancou eram 9h30m com 60 pessoas inscritas, em direcção à aldeia do Bogalhal (primeiro ponto de paragem).


Pelo caminho esperavam-se grandes dificuldades, contudo com maior ou menor habilidade, cada um lá foi seguindo o trilho marcado a preceito pela organização do passeio.


Na frente deste pelotão e para abrir caminho nesta primeira parte do percurso que era sempre a descer até ao rio (não fosse estar alguma coisa a impedir a passagem da nossa caravana) fui eu que fui à frente, como podem ver pelo sorriso descansado, até aqui tudo fácil... Depois, daqui para a frente, é que se vê como morde o corpo. Este local de passagem da ribeira, situado entre Pinhel e Valbom, foi a primeira dificuldade entre muitas que foram aparecendo.


Como esta parte inicial do trajecto foi mais fácil e quase sempre a descer, não tardou muito a que os primeiros, os mais destemidos a descer, chegassem aquele local de passagem.


Nas imagens até parece que é fácil de ultrapassar, mas tendo em conta que a ribeira estava cheia de pedras com musgo e que a água em certos pontos estava congelada devido ao frio que se fazia sentir naquela altura, já dá para pensar duas vezes se vale mais atravessar em cima da bicicleta e fazer o bonito para a fotografia, ou se vale mais jogar pelo seguro e carregar a bicicleta às costas pelo pontão a fora...


Para aqueles mais destemidos, que não quiseram descer das bicicletas, uns tiveram a sorte e habilidade de passar sem se molharem, ao passo que outros tiveram menos sorte e molharam o pezinho na água fresquinha. Contudo quero desde já dar os meus parabéns a quem atravessou a ribeira em cima da bicicleta, quanto aos outros que tiveram de andar com ela às costas só me ocorrem algumas palavras "Foram uns fraquinhos". Agora pior mesmo, foi o Cortiço Quintaneiro, que a esta altura já precisava da carrinha de apoio para o transportar, dizia ele que a noite anterior tinha sido muito complicada... Como se ele algum dia tivesse uma noite de Sábado que fosse fácil!


A partir daqui e como já disse anteriormente, é que a porca torceu o rabo, é que o caminho virou a subir, durante mais de 4 kms. Enquanto que o pelotão da frente continuou em bom ritmo pelo trilho a cima, a cauda do pelotão via-se e desejava-se para conseguir subir 100 mts seguidos em cima da bicicleta, sem ter que descansar.
Foi uma verdadeira aventura esta parte do traçado. O único que tinha desculpa para parar era eu , para conseguir tirar as fotos da melhor maneira.


Contudo neste tipo de eventos, amigo não empata amigo. Assim sendo, cada um continuou o trajecto a seu ritmo pelo monte fora até chegarem ao Bogalhal - primeiro ponto de paragem e local destinado para o reforço da caravana.
É claro que antes disso, ainda houve tempo para cerca de 10 pessoas se perderem pelo caminho, porque confundiram uma seta que não fazia parte do plano de viagem. Não fossem as novas tecnologias (telemóveis) e a rápida intervenção da organização para solucionar o problema e ainda hoje andávamos à procura deles... :)


Estou a brincar claro, não me levem a sério...


A animação no bogalhal era muita. Uns porque pensavam que o pior já tinha passado (estavam bem enganados) e outros porque sabiam que a bucha estava ali perto e podiam atestar os pipos. Enquanto esperávamos por quem se tinha perdido, ainda houve tempo para tirar umas fotos. As meninas presentes fizeram questão de pousar para a foto e sempre com uma cara sorridente, nem que muitas delas já estivessem estafadas, por seu lado os homens não se organizaram para as fotos e ficou cada um para seu lado. Resultado final, da parte das mulheres poucas lá faltaram na fotografia, na parte dos homens poucos foram os que lá ficaram na foto. É sempre a mesma coisa...


Depois de um pequeno almoço bem recheado no Bogalhal (uma vez mais o nosso agradecimento ao Abel - Presidente da Junta de Freguesia e à Maria, pela sua total disponibilidade), chegou a altura de colocar novamente as mão no volante e os pés nos pedais.


As mãos no volante ainda foram postas, agora os pés nos pedais, é que já não foi para todos, porque estava à nossa espera mais uma subida de 3 km's para desgastar o que comemos. Enquanto que uns se viam e desejavam para acabar a subida até ao cruzamento do bogalhal, o Cortiço GTD, não perdia tempo e ao mesmo tempo que pedalava, tentava a todo o custo dar um beijo na sua namorada. Ahhh Valente!!!


Por outro lado havia outros que achavam a subida fácil e no final da mesma ainda tiveram forças para fazer um cavalinho para a fotografia. E não é que o fotógrafo tinha jeito e conseguiu apanhar o momento exacto.


Mais à frente e numa zona do percurso mais plana, consegui apanhar uma moçoila que por acaso até era a minha mulher, a pedalar a uma velocidade incrível. Só visto...

Por volta da 13h começaram a chegar os primeiros participantes do passeio ao Restaurante "O Petisco", local escolhido para almoçar.

Enquanto toda a gente chegava, foram servidas bebidas a todos os participantes, de forma a restabelecer as energias o mais rápido possível.

O almoço foi servido por volta das 14h com toda a gente presente. A seguir ao almoço, e no parque de estacionamento do restaurante foram efectuadas 3 provas que serviram acima de tudo para confraternização entre os presentes. A primeira foi a prova dedicada aos cavalinhos em cima da bicicleta. Sem pés nos pedais, se uma mão no volante, enfim valia tudo desde que fosse para impressionar o exigente júri da prova. A segunda prova, foi composta por uma gincana entre blocos e rampas de passagem, ganhava aquele que efectuasse o percurso em menos tempo.

Por fim a terceira prova, foi a prova dos lentos, que como toda a gente deve saber, ganha, aquele que demorar mais tempo a percorrer determinada distância, ou aquele que se desequilibrar e colocar os pés no chão.

No final destas empolgantes provas, chegou a hora de dar-mos por terminada esta actividade, nesta altura como a força de algumas pessoas já não era muita estava à disposição uma carrinha para transportar as bicicletas, até ao local de partida. Alguns não quiseram dar parte fraca e foram em cima da bicicleta, contudo a meio já deviam estar arrependidos...

Em jeito de finalização, os Cortiços querem desde já agradecer a todas as pessoas que estiveram presentes nesta actividade, e também a todas as pessoas que de uma forma ou de outra trabalharam e disponibilizaram os recursos ao seu alcance de forma a que esta actividade corresse da melhor maneira possível. A todos eles o nosso muito obrigado, e uma coisa podemos garantir, para o ano há-de ser ainda melhor...



O Renascer das Cinzas...

Bom dia caros amigos...

Antes de mais quero pedir desculpa pela falta de tempo que tenho dedicado ao blogue. Mas tudo tem uma explicação, e no meu caso foi a recente mudança para o clube dos casados.

Agora que a minha vida está novamente a estabilizar, vamos ressuscitar este blogue dando-lhe a importância que ele merece.

Um abraço a todos e saudações dos cortiços a toda a comunidade.

Cortiço Jodemo

sexta-feira, 18 de abril de 2008

5 Estrelas - Rémi Gaillard

Bom dia amigos...

Andava mais uma vez aqui na net a vaguear, quando encontrei alguns vídeos de Rémi Gaillard. Este senhor é francês, e a sua especialidade é participar em todos os eventos que lhe vêem à cabeça e sempre de uma forma original.

É uma espécie de Striker inglês, mas com mais algum nível e mais infiltrado. Ele consegue-se disfarçar tão bem, que por vezes nem sequer dão conta que ele nem sequer faz parte da equipa.

Depois de alguma pesquisa, consegui aceder ao site dele, e aqui está um vídeo que podem encontrar em http://www.nimportequi.com

http://www.dailymotion.com/video/x2fnf9_imposture-coupe-de-france-de-foot


Simplesmente espetacular, vejam que vale a pena.

Cumprimentos

Jorge Morais

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Cortiço Hugo e Daniel no BTT de Alcains

Está quase a chegar o dia...
Há uns tempos atrás recebi um e-mail que dizia o seguinte:
Passo a Citar.

"Sr Jorge Morais
Um passeio em que o Sr Hugo Coelho e Daniel Marques irão participar.
Considerado uma das melhores meias maratonas a nivel nacional, conforme enumera o Sr Daniel:"Caso não saibas, estive ontem na net, no forum BTT, e descobri que no Ano passado este passeio foi considerado dos melhores que foram feitos a nível nacional, e que á bastante durinho o percurso, com montes de picadas sempre a subir e descidas vertiginosas.
Como já vamos fazer 40Km, pode ser que seja fácil."
by Daniel Marques
Jorge como vês esta na altura de v/ se juntarem ao grupo.
Abraço"

Depois disto, apenas tenho um comentário a fazer.
Vocês só podem ser tolinhos da cabeça...
Com este tempo de chuva apenas me apetece sair de casa para andar na terra com um veículo de duas rodas que tenha MOTOR a que se dá o nome de MOTA... Isso sim vale bem a pena!
Agora também vos desejo a melhor sorte do mundo e muita coragem para conseguirem completar o trajecto sem descerem da bicicleta. Se precisarem de ajuda, não hesitem, peçam a alguém.

terça-feira, 1 de abril de 2008

3º Aniversário (1 de Novembro de 2007)




Já foi no passado dia 1 de Novembro de 2007 que esta associação comemorou o seu 3º aniversário.

À semelhança de anos anteriores, este ano, a festa prometia ser muita, e durante todo o dia.


Como dias, não são dias, e os cortiços só fazem anos uma vez por ano, contratámos um amigo nosso (Ângelo Brás) para abrilhantar o nosso aniversário com o seu acordeão e melodias inesquecíveis.


O encontro foi marcado para o Café o Príncipe, e como já vai sendo hábito nestes dias o pequeno-almoço foi uma bola de carne, que por acaso até estava bastante boa. Enquanto isso, o Ângelo começou a afinar a voz e o acordeão para um dia que se previa agitado.


Ao meio da manhã fomos todos à feira, visitar alguns locais de interesse, como por exemplo as tasquinhas que lá estavam. Enquanto isso, o Ângelo Brás e o seu acordeão não paravam de nos surpreender.


Com o almoço marcado para o Restaurante "O Petisco", não tardou a que nos desse novamente a fome a todos. Chegados lá, tínhamos à nossa espera um borrego assado no forno, com batatinhas a condizer, e uma empregada para nos servir, que também não ficava nada atrás...


Depois de bem almoçados, a tarde decorreu às mil maravilhas, com a romaria tradicional e necessária às adegas de ocasião. De salientar o facto de a primeira ter sido aquela que faz parte do nosso local de fundação (Tasca do Sr. Barroso). Em seguida ainda tivemos tempo de ir até à adega do Tavares e do Sr. Armando Quintaneiro. Esta última, acolheu também o nosso jantar, com a presença de alguns convidados que fomos encontrando pela tarde fora.


Depois de uma ceia bem comida e regada a preceito, ainda houve tempo e vontade de nos dirigir-mos à adega do meu pai para efectuar-mos a primeira prova da ginginha. Pela descida que levou, penso que naquela altura já estaria a ficar boa, portanto podem imaginar como estará agora. Eu, em primeira mão posso dizer que está um espectáculo, e quem já teve a oportunidade de experimentar diga de sua justiça...


Desta vez resolvi narrar a história e colocar as fotos em forma de slide, para ser diferente. Se não estiverem de acordo, paciência, critiquem, e pode ser que alguém vos dê ouvidos!!!


Desculpem a demora na colocação deste post, mas outros assuntos mais sérios roubaram-me o tempo precioso que tinha. Agora vou continuar mais assíduo, penso eu...


Próximo Post a ser colocado... 1º Passeio de BTT organizado pelos Cortiços!

quarta-feira, 12 de março de 2008

Grupo Cénico - Improv Everywhere

Andava aqui a passear na internet, quando me deparei com este grupo de pessoas, que realiza acções de representação nos mais variados locais e sempre de forma distinta.
Esta última, teve lugar em Nova York. Era um sábado frio de inverno e a maior estação de metro do mundo parou derepente, sem que ningúem se desse conta do motivo.
A equipa de "Improv Everywhere" com a ajuda de mais 200 figurantes extra, ficaram congelados durante algum tempo.
A partir daí é ver o video, para perceber a cara de incrédulos de todos os outros que não sabiam o que se estava a passar, muito fixe.

video

Já estou a pensar como seria este número na movimentada estação de caminhos de ferro de Pinhel...

sexta-feira, 7 de março de 2008

Fotos curiosas com muita história para contar...

Enquanto preparo o post relativo à comemoração do 3º aniversário dos cortiços, e do 1º Passeio de BTT, aqui ficam algumas fotos curiosas, mas com muito para contar.


Já foi no verão passado, mas tanto uma como a outra retratam grandes momentos, vividos quer na despedida de solteiro do Tó-Mané, quer no seu casamento na semana seguinte.


Aproveito também para dizer, que qualquer dia, iram aparecer mais fotos, com histórias de uma vida real de todas as despedidas de solteiro e casamentos, onde as personagens principais do mesmo, foram cortiços, ou onde os cortiços participaram de uma forma mais activa.


Pede-se a todos os que tenham fotos denunciadoras, que mandem para o mail dos Cortiços (oscorticos@gmail.com), a fim de serem publicadas neste blog.

Cumprimentos.

Jorge Morais

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Uma amiga dos cortiços



Clica em cima do PLAY para ouvir a minha voz!

BTT na Mêda

Na sequência do último post, sobre a eventual presença do Cortiço Hugo no BTT da mêda, aqui estão as primeiras palavras ditas pelo próprio, logo após ter terminado este passeio.

"Aí está a recompensa de um esforço de 3 horas a pedalar pelos trilhos da Mêda.

Dasss... Mais parecia os corta fogos da marofa.

Nunca mais acabava.

Mas foi muito fixe.

Cumprimentos."

Hugo Coelho



Da parte que a mim me toca, tenho a dizer que este discurso foi bastante modesto, tendo em conta a preparação em que se encontra neste momento o Cortiço Hugo, a prová-lo está aqui uma foto que representa bem a prestação deste Cortiço nessa prova. Então, não é que ele trouxe mesmo uma medalha para casa. Não foi um terceiro lugar como esperava, mas esteve lá perto. Muitos parabens, pela prestação, continua assim... maluquinho, mas cheio de força!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Cortiço Hugo no BTT da Mêda

Este homem que vocês aqui vêm na foto é o Cortiço Hugo, com a bicicleta às costas no Passeio de BTT organizado pelos Cortiços. Nesta altura ele já andava com ideias, mas as pernas não o ajudavam, por isso passava maior parte do tempo com a bicicleta às costas...

Não é que agora, passados 3 meses do BTT organizado por nós, este rapaz decide internacionalizar-se???

É verdade soube agora que está inscrito para o passeio de BTT que se vai realizar na Mêda este fim de semana. Para ele aqui vão os votos sinceros de uma boa prova, e que deixe o nome dos Cortiços no lugar mais alto do pódio.


Força Hugo, pedala muito mas sem a bicicleta às costas, mostra aqueles gajos de que material é feito um Cortiço de gema.


Boa sorte...

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Viagem ao Santo(V)inho 2007

Antes de começar a retratar esta magnifica viagem, quero antes de mais pedir desculpa pelo atraso na colocação deste post. MAS, tudo tem uma justificação… Neste caso, andámos muito ocupados durante a semana anterior nos preparativos para a Feira das Tradições, que decorreu 5 estrelas, como daqui a alguns dias virá a demonstrar o post que irei aqui colocar.
Feita esta ressalva, aqui vai mais uma narração cheia de inspiração, pelo menos assim espero…
No dia 23 de Junho de 2007 realizámos a nossa segunda viagem por terras deste nosso lindo Portugal. O roteiro desta vez, incluiu uma visita à Quinta da Azenha e Casa da Ínsua (Penalva do Castelo), Almoço em Viseu no Solar do Verde Gaio, Visita à Quinta da Fata em Nelas e novamente a Quinta do Satoninho, no Domingo efectuamos uma visita à cidade Berço de Portugal (Guimarães).
Devido a alguns contratempos ocorridos durante a marcação da viagem, o local final de paragem no Sábado, foi novamente a Quinta do Santoinho. Não é que, não seja bom, agora este ano, queria-mos mudar de sítio para conhecer umas novas paragens, contudo, o mesmo não foi possível já que obtivemos da Quinta da Malafaia (também em Viana do Castelo) uma resposta um pouco incompreensível. De acordo com eles, naquela quinta não podem entrar grupos organizados, muito menos, se dos mesmos, fizerem parte só homens. Não sei até que ponto isso será legal, mas também não interessa porque tudo o resto foi diferente e dias não são dias.
Posto isto, como manda a praxe às 8h00m estava marcada a partida, mas como sempre alguém se atrasa, acabámos por sair apenas meia hora mais tarde. Mesmo sabendo que o fim-de-semana ia ser duro, ainda houve uns corajosos que na noite anterior andaram por outras paragens (Almeida) e se deitaram já passava das quatro da manhã, depois, sempre que era possível tentavam dormir o pouco que fosse (mas ficam já a saber que era uma missão quase impossível).

Depois de uma viagem atribulada, com violas a cair em cima das cabeças e a necessidade urgente de ir à mala do autocarro, buscar uma arca com gelo para colocar na cabeça, logo no início da viagem, lá chegámos ao nosso primeiro ponto de paragem, a Quinta da Azenha situada em Penalva do Castelo.

Esta quinta é de carácter particular e pertence ao Sr. Albuquerque, até então, amigo do Manel do Petisco e depois daquela nossa estadia, passou a ser amigo de todos nós… LOL
Para o pequeno-almoço, foi combinado, que nós levávamos a comida (presunto, pão, chouriça, queijo, bola de carne), e ele colocava à nossa disposição o vinho. Uma coisa vos digo, tanto a comida como a bebida, foi um eterno regalo para os olhos e para o corpo.
Em seguida, fomos conhecer a quinta, mais propriamente a adega, que era isso que mais nos interessava. Chegados ao local do crime (pipas e tonéis), chegou a hora de fazermos a prova do vinho novo, que ainda estava a fazer-se por aquela altura. Neste momento um já deve estar engarrafado e outro já deve estar bebido. A vontade para alguns beberem era tanta que até se ajoelhavam, para que fossem os primeiros, não é senhor Rui do Príncipe… Mas como diz o velho ditado, se ajoelhou, vai ter que rezar. Vai daí, colocou a boca no trombone e só parou quando a música acabou.


Já de barriga cheia e com mais um convidado na bagagem (o Sr. Albuquerque), dirigimo-nos para a Casa da Ínsua situada também perto de Penalva do Castelo.
Para quem não sabe a Casa da Ínsua foi mandada construir na segunda metade do século XVIII, por Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, Governador e Capitão General de Mato Grosso, no Brasil.
Os jardins são notáveis, seja em extensão, originalidade ou variedade de espécies. O jardim da frente da casa, de estilo Francês, apresenta um traçado geométrico e canteiros rodeados de buxo. Constitui-se por inúmeras espécies botânicas, destacando-se as camélias, talhadas em várias formas, e as inúmeras variedades de roseira. Como se pode ver na foto o Manel do Petisco foi comparar a sua grande altura, com a de uma sequóia, mas nem lhe chegou aos calcanhares…



A visita a esta quinta é efectuada com um guia, que conta pormenorizadamente toda a sua história envolvente, mas como podem ver a atenção de alguns não estava para aí virada, e a barbaridade que outros faziam, só dava para a risada.




Uma das espécies mais notáveis do jardim, pela sua raridade, é a Lótus. As suas belíssimas flores cor-de-rosa não duram mais do que 48 horas e as suas enormes folhas são impermeáveis à àgua, apesar de estarem dentro de um lago e rodeadas por nenúfares. Destaca-se também uma Magnólia de 1842 e várias sequóias seculares (com cerca de 100 metros de altura). Enquanto isso, o Cortiço André interpretava mais um papel, fazendo de José Hermano Saraiva, para o câmara man, que na altura era eu (Cortiço Morais).


Já no final da visita fomos conhecer também a adega da Casa da Ínsua, e uma coisa vos digo, aquilo é que era uma adega, eu não sei se todos juntos dávamos conta do recado ao longo da nossa vida. Até o Cortiço Alex que não gosta muito de vinho ficou impressionado com tanta abundância. Á saída como era de esperar, demos mais um concerto bem afinado, para as pessoas que estavam ali de propósito para nos ver. Como era dia de S. João, houve até quem pensasse que a banda que ia tocar na festa tivesse chegado mais cedo (é que são malucos…).
Quem quiser saber mais acerca da Casa da Ínsua pode consultar o site em http://www.casadainsua.pt
Com esta brincadeira toda já era quase uma da tarde e tínhamos de ir almoçar. Entrámos todos para o autocarro, e o motorista fez-nos o favor de nos guiar para o restaurante “O Solar do Verde Gaio”, situado em Viseu. Foi um bom repasto, cheio de iguarias e especialidades.
O Complexo turístico “Solar do Verde Gaio” está vocacionado para o ramo hoteleiro, oferecendo uma enorme variedade de ofertas para todos os gostos e todas as situações. Sendo o maior restaurante da cidade deViseu, possui também um elevado requinte gastronómico aliado a uma imensa variedade de sabores. Do marisco fresco e de qualidadesuperior ao verdadeiro rodízio à brasileira, possui ainda na sua ementa pratos variados de confecção sofisticada, inevitavelmente aliados a um primoroso atendimento num ambiente acolhedor e de requintada decoração.
http://www.solardoverdegaio.pt
Pena é que a esta altura da viagem, houvesse quem já não conseguisse apreciar a comida tal era a pouca fome e a enorme vontade de beber…
Depois de almoçarmos, fomos outra vez para o autocarro, com destino à Quinta da Fata, situada em Nelas.
A casa da Quinta da Fata foi construída no final do século XIX com base no granito da região; foi aumentada nos anos 60 e remodelada em 1991. É uma casa com paisagem, que se pode desfrutar ou dos quartos e ou do terraço. A Quinta da Fata está localizada na região demarcada do Vinho do Dão. O ligeiro declive para Sul dá-lhe uma exposição soalheira que beneficia o vinho e que a torna particularmente aprazível. Para além da vinha, a quinta tem jardins, amplos relvados e zonas arborizadas. De entre as muitas árvores, destaca-se uma imponente tília centenária. Tanto a tília como a torre com o antigo depósito da água são bem visíveis e permitem identificar facilmente a quinta desde longe.

A Região Demarcada dos Vinhos do Dão é a mais antiga região demarcada de vinhos de mesa em Portugal. A Quinta da Fata, situa-se junto à aldeia de Vilar Seco, no Concelho de Nelas, coração dos Vinhos do Dão. A vinha da Quinta da Fata, foi recentemente replantada tendo em consideração as necessidades de modernização e as capacidades de produção actuais. Seleccionaram-se as castas mais representativas da Região do Dão: Toriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro, Jaen e Encruzado. O tipo de solo e a sua exposição a Sul favorecem uma produção de qualidade. O vinho Quinta da Fata continua a ser produzido na Quinta, utilizando os processos clássicos, com curtimenta em lagares de granito e estágio em cascos de carvalho.
Depois desta prosa toda, uma coisa posso dizer, o vinho daquela quinta era mesmo bom, pena é, que não pudemos trazer garrafas connosco sem ninguém ver, claro. Se quiserem saber mais ou efectuar reservas dirijam-se a http://www.quintadafata.com/


Depois desta visita, apenas voltámos a parar mais uma vez, numa estação de serviço, para aliviar a bexiga que já ia bastante cheia. Como não podia deixar de ser, tirámos os instrumentos todos do autocarro e fizemos ali um bailarico. O Cortiço Bruno Quintaneiro, ainda teve tempo de mostrar os seus dotes de tocador de concertina com o Cortiço Alex pela frente. Quem sabe, sabe!!!



Como já era o segundo ano consecutivo que estávamos presentes na Quinta do Santoinho, desta vez não houve enganos no trajecto, e também não caímos na esparrela de alugar quartos próximos do Santoinho. Este ano fomos dormir ao centro de Viana do Castelo, porque assim, quem teve forças ainda foi para a noite depois de virmos da Festa do Santoinho. Sobre a festa do Santoinho, não há muito a dizer que não se tivesse passado o ano passado. Ao ínico da noite tivemos de ir ajudar as mulheres a malhar o o centeio, para depois podermos comer o pão.

O Cortiço Marco e o Cortiço André só pensavam em comer, o Cortiço Filipe, estava de uma forma que se deixava rir por tudo e por nada, o Cortiço Neves tirou um momento de sobriedade e posou para a foto, o Cortiço Hugo estava tão farto de beber que já lhe doía a garganta, vai daí, decidiu começar a beber pela cabeça no seu todo. Depois no final da noite a festa era geral com o Manel do Petisco e o Cortiço Neves a fazerem o tradicional comboiinho transmontano…





A grande ressalva que tem de ser feita este ano, prende-se com o facto de os verdinhos estarem mais amadurecidos, e nos terem conseguido acompanhar até mais tarde! Mesmo assim ainda não foi mesmo até ao fim. Pode ser que para o ano assim calhe.















Na manhã de Domingo, o acordar foi mais fácil para uns do que para outros, mas com mais ou menos dificuldade, toda a gente se levantou. O local de paragem também estava perto (Guimarães), por isso não havia muito que desesperar.
Quando chegámos a Guimarães, como bons turistas que éramos demos uma volta à cidade mas de autocarro, e tudo isto porque não encontrávamos o restaurante para almoçar.
Assim, que encontrámos o dito cujo, o motorista deixou-nos à porta e ele foi estacionar o autocarro, logo ali ao lado. O Restaurante Florêncio é familiar de cozinha tipicamente regional, foi fundado por Florêncio Martinho e Ana Maria. Com fama centenária, são vários os prémios que nos foram já atribuídos em diversos concursos de gastronomia.
Dispõem de 2 salas (uma das quais mais reservada para grupos de 50 pessoas) e uma adega típica à entrada onde são visíveis os pipos de vinho para acompanhar os deliciosos petiscos enquanto se espera pelo repasto. E quem já conhece não consegue esquecer as famosas especialidades: o bucho recheado, o arroz de coelho de cabidela, o arroz de frango "pica no chão" e, muito mais, já para não falar nas sobremesas regionais. Para quem ainda não conhece, fica o convite! http://www.restauranteflorencio.com/

Em seguida e de barriga bem cheia, fomos visitar a mais valia da Cidade de Guimarães e quiçá de toda a história de Portugal. O Castelo de Guimarães está actualmente inserido numa paisagem lindíssima sobre toda a cidade Berço, assim como está envolto numa grande área verde preenchida com algumas árvores colocadas a preceito.

Depois de efectuada a visita, chegou a hora mais difícil de toda a viagem, o regresso. Como podem esperar o regresso não foi fácil para ninguém, foram dois dias muito cansativos do ponto de vista da garganta e do estômago, claro que mais tarde o fígado também veio fazer das suas como sempre.
Para sempre também fica mais uma foto deste maravilhoso grupo, num local emblemático para toda a história Portuguesa.


Espero que este ano esta viagem se repita, mas com outros locais de visita. Quem sabe para o Alentejo, Madeira, aceitam-se sugestões, desde que nesse fim-de-semana esteja a decorrer alguma actividade de interesse para nós (FESTAS).
Um muito obrigado a todos por terem conseguido ler este post até ao fim, porque, estava a ver que nunca mais terminava. Por agora é tudo e façam favor de comentar, que eu também mereço.
Próximo Post a ser colocado 3º Aniversário dos Cortiços.